HOMENAGEADO DA SEMANA
Adélia Nogueira Oliveira
Natural de Nazaré de Farinhas, interior da Bahia,terra da Feira do Caxixi (feira de cerâmica) que acontece anualmente naquela cidade, na sexta-feira santa. Durante a sua infância esperava ansiosa por esta feira que era um grande acontecimento local. Morou em outras cidades do interior da Bahia e, no ano de 1964, veio com sua família de muda para Vitória da Conquista, onde permanece até hoje. Filha do Auditor Fiscal Valdemar da Silva Nogueira e Dona Floraci Lima Nogueira (ambos falecidos), faz parte de uma família composta por cinco irmãos: Celeste, Maria das Graças, Silvia (falecida), Eliane e Carlos Marcio (falecido). Adotou Vitória da Conquista como sua terra natal, e aqui foi recebida de braços abertos. Recebeu formação pedagógica no Instituto de Educação Euclides Dantas (IEED)e em 1969 concluiu o curso. Começou a trabalhar ainda jovem, sendo que aos 18 anos já lecionava História no Centro Integrado de Educação Navarro de Brito. Em 1971, completou sua Formação Acadêmica em Estudos Sociais, curso esse ministrado pela UFBA –PREMEN, retomando para Conquista para lecionar no Colégio Polivalente. No ano de 1976 casou-se com Aderbal Pereira de Oliveira, médico cardiologista , e desta união nasceram três filhos: Catarina Maria e Lourenço, ambos médicos, e Letícia, advogada. É avó de Antonio, que tem um ano e meio, filho de Catarina. Iniciou sua formação artística no atelier com Marisa Correia, fazendo em seguida outros cursos que ampliaram sua experiência nas artes plásticas. São Paulo – ano de 1976 – “Marquei meu primeiro encontro com o barro. Uma profunda identificação com a matéria ceio proporcionar-me, ao sabor de seus poderes mágicos, de sua energia, uma forte revelação das minhas emoções. No contato permanente com a maleabilidade e o frescor da argila parecia descobrir um novo sopro de vida a impulsionar a minha criatividade e a impor novos desafios estéticos”. Em 1978, fez sua primeira exposição – uma coletiva na 1ª semana de Cultura na Faculdade de Formação de Professores em Vitória da Conquista / BA. Daí em diante tem participado de exposições coletivas e realizado exposições individuais inclusive em outros estados. Apesar de nesse período trabalhar outra técnicas, como batik, óleo, esmaltação em cerâmica e pinturas em azulejos, jamais abandonou o barro. E nessa busca constante traves dos anos, onde o barro cedendo sempre ao imaginário transformar-se… e transformou-se em corpos concretizados na exposição CORPO & LAMA. Aos quarenta anos viu-se acometida de uma doença neurológica, progressiva e irreversível – atrofia cerebelar. Como sua evolução era lenta, nunca parou de trabalhar. Ultrapassou barreiras, venceu desafios, e hoje, mesmo impossibilitada de andar, usando uma cadeira de rodas, continua sua trajetória artística. Ao longo desses anos, Adélia tem trabalhado técnicas e temas diversos. D o batik ao óleo sobre tela, da modelagem em cerâmica à estrutura, atualmente dedicando-se ao mosaico, como bem disse Elzir da Costa Vilas Boas, “esse trabalho reflete a paciência, sensibilidade e persistência, qualidades inerentes à alma do artista”. Juntar pedaços e compor figuras. Borboletas, flores e frutas é o que vemos nos trabalhos de Adélia Oliveira, no seu ATELIER ARTES & ARTES, situado na Av. Ivo Freire de Aguiar, 170, onde também ministra cursos de mosaico.



Publicidade

  • slide1
  • slide2
  • slide3

Vídeos



  • slide1
  • slide1
  • slide3
  • slide4